Em 2021, no segundo ano de pandemia, o número de pedidos de recuperação judicial registrado em todo o país é o mais baixo dos últimos seis anos. Até o mês de novembro, 807 empresas haviam recorrido ao Judiciário, de acordo com a Serasa Experian. Esse índice representa menos da metade do que se viu em 2016 em que foram contabilizados 1.865 casos.

No início do ano passado, a previsão realizada por especialistas era recorde de recuperações judiciais, pois a pandemia havia agravado e aquele momento coincidia com o vencimento dos prazos das dívidas que foram renegociadas pelas empresas em 2020.

Com o avanço em negociações de dívida, as empresas obtiveram acesso a mais crédito – em bancos ou por meio de programas do governo operacionalizados por instituições financeiras, visto que a combinação de renegociações das parcelas em aberto e a liberação de mais crédito para que as empresas conseguissem cumprir com as suas obrigações geraram os menores índices de inadimplência da história.

A tendência é que esse índice de pedidos de Recuperação Judicial aumente um pouco em 2022, mas certamente vai continuar em patamar inferior aos números da pré-pandemia.

Além do fator pandemia, as soluções extrajudiciais também foram impulsionadas pela nova Lei de Recuperações e Falências, que entrou em vigor no mês de janeiro. Atualmente, as empresas podem, por exemplo, se utilizar do chamado stay period fora do processo de recuperação judicial, ou seja, enquanto tentam negociar com os credores. Esse mecanismo suspende as ações de cobrança contra a devedora.

Especialistas na área de insolvência afirmam que os pedidos de recuperação – tanto extrajudicial como judicial – foram capitaneados, neste ano, por empresas de setores diretamente afetados pela pandemia: hotelaria, turismo e transporte.

Segundo os dados da Serasa Experian, dos 807 pedidos de recuperação judicial registrados até o mês de novembro, 539 foram protocolados por pequenas empresas, 183 por médias e 85 por grandes companhias.

Nossa equipe técnica está à disposição para esclarecimentos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.